Category Archives: Curtas

“Juku” vence o Grande Prémio de Curta Metragem

Juku de Kiro Russo

A Cerimónia de Entrega de Prémios de Curta Metragem aconteceu no dia 4 de Maio, às 19h15, no Pequeno Auditório da Culturgest. O júri atribuiu os prémios aos seguintes filmes:

Prémio do Público para Melhor Curta Metragem (valor 1.000 Euros)
Retour à Mandima de Robert-Jan Lacombe

Prémios RTP2 Onda Curta
Chefu Party de Adrian Sitaru
Fancy-Fair de Christophe Hermans
Kali, o Pequeno Vampiro de Regina Pessoa
Ovos de Dinossauro na Sala de Estar de Rafael Urban

Prémio Novo Talento FNAC (valor 2.500 Euros)
Salomé Lamas por Encounters With Landscape (3X)

Prémio OBVIOSOM/GRIPMAN/RESTART para Melhor Realizador Português de Curta Metragem (5.000 € em serviços de pós-produção equivalente ou em em aluguer de material de rodagem; 2.500€ em formação na Restart e/ou em meios de produção e pós-produção equivalentes)
João Salaviza por Cerro Negro

Prémio Pixel Bunker para Melhor Curta Metragem Portuguesa (1.500 Euros e 6.000 Euros em serviços Pixel Bunker)
Cama de Gato de Filipa Reis e João Miller Guerra
Menção Honrosa: Kali, o Pequeno Vampiro de Regina Pessoa

Grande Prémio para Curta Metragem  (5.000 Euros)
Juku de Kiro Russo
Menção Honrosa: The Great Rabbit de Atsushi Wada
Menção Honrosa: Praça Walt Disney de Renata Pinheiro e Sergio Oliveira

Com as etiquetas , , ,

Destaques de Programação: 26 de Abril

No Cinema São Jorge, a Sala Manoel de Oliveira recebe a Cerimónia de Abertura, com Dark Horse de Todd Solondz, às 21h30. Abe, o protagonista, é um homem-criança. Aos trinta e poucos anos é incapaz de fazer parte do mundo dos adultos. Ainda vive em casa dos pais, trabalha sem qualquer entusiasmo na empresa do pai e passa a maior parte do tempo no eBay à procura de brinquedos antigos. Menos ácida que as anteriores sátiras de Todd Solondz (Happiness, Life During Wartime) sobre a vida do americano médio,Dark Horse é igualmente divertida e oferece uma perspectiva diferente.

"Into the Abyss", de Werner Herzog

Homenageado na secção Herói Independente do IndieLisboa’09, Werner Herzog está de volta com o seu mais recente trabalho, um documentário que, através de conversas com o jovem assassino Michael Perry, dias antes da sua pena de morte, e com todos os que foram afectados pelos crimes que cometeu – os seus familiares e os familiares das vítimas –, nos leva a reflectir sobre o acto de matar. Into the Abyss passa no dia 26 de Abril, às 21h30, no Grande Auditório da Culturgest.

No Pequeno Auditório, será exibida a sessão Competição Internacional Curtas 1, às  21h45. Do escuro de uma mina em Juku vamos para claridade de um dia chato de domingo em Les Dimanches, onde tudo acontece e saber línguas deveria ser um dado adquirido. No entanto, é melhor não cair no ventre da baleia de Belly ou na paranóia crescente de Africa, tudo para acabar numa Cama de Gato, o jogo do destino de uma jovem mãe adolescente.

A sessão Director’s Cut Curtas, reflexão sobre o cinema composta também por várias curtas metragens, acontece no Cinema São Jorge, Sala 3, às 21h30, e apresenta Projet Kubrick de Olivier Jagut, Il était une fois… Orange mécanique de Antoine de Gaudemar, I’m Not the Enemy de Bjørn Melhus, que se apropria de diálogos de filmes de Hollywood que lidam com o legado da guerra do Vietname para os implantar nos sossegados subúrbios alemães, e Conference Notes On Film 05 de Norbert Pfaffenbichler.

Às 21h30, no Cinema Londres, Sala 1, são exibidos dois filmes do realizador Ai Weiwei: Ordos 100 e So Sorry. Ai Weiwei esteve ligado à concepção do famoso estádio Ninho de Pássaro, construído para as Olimpíadas de Pequim. Mantendo a parceria com a mesma dupla de arquitectos suíços Herzog & de Meuron, foi incumbido de conceber uma cidade no interior do deserto da Mongólia. O projecto Ordos 100 nasce assim, com o convite dirigido a 100 arquitectos de 27 países para desenhar uma vivenda com 1000 m2. So Sorry começa por mostrar um Ai Weiwei a tentar perceber as verdadeiras razões para as escolas públicas não terem resistido ao terramoto que assolou Sichuan e evolui para um confronto entre o artista plástico e as autoridades chinesas, culminando na sua muito recente prisão.

Na Sala 2 do Cinema Londres, a sessão Pulsar do Mundo Curtas 1 tem hora marcada para as 21h15 e dela fazem parte as curtas metragens Fireworks de Giacomo Abbruzzese, Jours de poussière de Jérémie Reichenbach, Woodcarver de Ehren BEARwitness Thomas, Las Vegas | Les Prés de Benjamin R. Taylor, Bradley Manning Had Secrets de Adam Butcher e From This Day to Where de Matias Rygh e Mathias Eriksen.

Curtas nacionais em fotogramas

Fotos de Paula Paz

Com as etiquetas ,

Aviso à população

Por motivos de força maior, a sessão da Competição Nacional Curtas 5 – que integra os filmes Exótica, de Sérgio Cruz, e Vai Com o Vento, de Ivo Ferreira – de dia 1 de Maio no Cinema São Jorge 1 vai ter que sofrer uma alteração de horário. Em vez do que estava previsto – 19h00 – a sessão terá só inicío às 20h00.

Com as etiquetas ,

Existem muitas formas de crescer

CINEMA EMERGENTE CURTAS 1
The Yellow Smiley Face, Constantin Popescu, fic., Roménia, 2008, 15’
2 Birds, Runar Runarsson, fic., Islândia, 2008, 15’
Instead of Abracadabra, Patrik Eklund, fic., Suécia, 2008, 22’
Sea Dog’s Devotion, Anna Kalus, anim., Áustria, 2008, 11’
Alasca, Miguel Seabra Lopes, fic., Portugal, 2009, 22’
Next Floor, Denis Villeneuve, fic., 2008, 12’

2_birds_01

THE YELLOW SMILEY FACE vem da Roménia. Quem nos acompanha sabe que temos um carinho especial pelo novo cinema romeno. O ano passado foi um dos nossos Heróis Independentes. Desta vez tudo se passa à volta da Internet e das dificuldades de uma geração que cresceu sem ela. Não se preocupem. A senhora romena que aparece em todos os filmes romenos é a actriz principal.

2 BIRDS é tensão onde o filme romeno anterior é comédia. Runar Runarsson não é estreante no festival. Em 2005 por aqui passou outro filme dele que dava pelo nome de The Last Farm. Este é um daqueles filmes que se vê de um só fôlego. Existem muitas formas de crescer. Esta é certamente uma das mais duras. Se sentirem que do ecrã saiem murros aplicados directamente ao vosso estômago ou consciência não é por acaso. Não vos vai deixar indiferentes.

abracadabraINSTEAD OF ABRACADABRA leva-nos para o mundo da magia. Tomas já não tem idade para viver com os pais. No entanto continua a viver. Tomas parece não ter muito jeito para a magia. No entanto continua a praticá-la, embora de um modo especial. Tomas é uma espécie de anti-herói que entre acidentes, moto-serras, visitas inesperadas ao hospital a meio dos truques e muito, muito humor negro que vos vai divertir imenso.

SEA DOG’S DEVOTION
é uma animação diferente. Há aqui um universo muito próprio. Livremente inspirado num poema macabro de Joachim Ringelnatz, navegamos por entre ondas de amor obsessivo. Não faltam a esta animação de Anna Kalus uma imaginação delirante e um conjunto de belas imagens burlescas e góticas.

ALASCA não se passa no Alasca, mas podia passar-se. Este Alasca é um sítio estranho. Um sítio onde parece não haver felicidade. Um sítio onde os gestos se repetem todos os dias. Um sítio onde as feições são duras, as palavras são duras, a vida é dura. Neste sítio apenas se envelhece.

NEXT FLOOR é muito estranho. O universo de Peter Greenway anda aqui por perto. Nos quadros insólitos criados, na opulência carnal, no verdadeiro festim de comida. A acção é gerida com mestria. Tudo acontece no momento certo. Se fosse a vocês certificava-me que estava muito bem sentado na cadeira. Esperemos que as salas do cinema Londres sejam sólidas.

Carlos Ramos

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 50 outros seguidores