Famílias complicadas, romances, otakus, viagens…

A infância, a memória e uma certa nostalgia do passado são temas férteis na 9ª edição do festival. São vários os géneros, países de origem, linguagens. Um estilo muito próprio em casa filme, com a assinatura de realizadores consagrados e de novos realizadores que dão os primeiros passos num caminho que os espectadores são convidados a acompanhar. Um ponto de partida e a continuação de uma aposta no cinema independente. A viagem começa já no dia 26 de Abril, nas salas do festival: Culturgest, Cinema São Jorge e Cinema Londres.

"Bonsái" de Cristián Jiménez

A abrir oficialmente o IndieLisboa’12 está Dark Horse de Todd Solondz. Abe, o protagonista, é uma espécie de homem-criança, ainda a viver em casa dos pais, apegado aos brinquedos e um verdadeiro fenómeno de “arrested development”. Ele trabalha com pouca ou nenhuma motivação na empresa do pai e há duas mulheres na sua vida: a mãe superprotectora e a secretária do pai, que acaba os trabalhos que ele deixa em atraso. Quando conhece uma rapariga chamada Miranda, esta não vai ser só uma típica história “boy meets girl”, como já nos tem habituado Solondz à luz de filmes anteriores (entre eles as sátiras Happiness Life During Wartime). Em entrevista, o realizador fala deste fenómeno pouco comum, que dá pelo nome de “Otaku” no Japão. Nesta categoria poderíamos inserir também  Greenberg de Noah Baumbach, que abriu o festival em 2010. Com Dark Horse, Solondz queria mostrar um outro lado da questão.

Também não estamos muito longe de Terri de Azazel Jacobs. O protagonista tem 15 anos, é obeso, foi abandonado pelos pais e vive com um tio doente. Todos os dias é gozado pelos colegas e ignorado pelos professores, que já nem ligam à sua falta de empenho. Terri está sozinho e alienado do mundo que o rodeia. Mas o vice-director da escola, Sr. Fitzgerald (John C. Reilly), revê-se em Terri e vai tentar ajudá-lo a ver-se a si próprio e aos outros com outros olhos.

"Le Skylab" de Julie Delpy

Le Skylab de Julie Delpy é o filme de encerramento e nele relembra-se as primeiras vezes: o primeiro beijo, o primeiro amor, a primeira desilusão. Albertine tem 10 anos e todos os seus familiares estão reunidos na casa da família na Bretanha para o aniversário da sua avó, que vai fazer 67 anos. Ali reina a confusão de pais, filhos, tios e primos que se reúnem para beber, discutir e falar de vários assuntos. O fim-de-semana acaba por se transformar num momento de revelações inesperadas e de circunstâncias imprevisíveis.

Em De Jueves a Domingo, Lucía (9 anos) e o irmão Manuel (5) vão passar umas mini-férias com os pais, Fernando e Ana, e viajam no pequeno carro da família até ao norte do Chile. A ideia era passarem tempo de qualidade juntos, mas a viagem é, afinal, uma despedida. No carro, a mãe e o pai evitam falar directamente um com o outro e os silêncios inquietantes criam uma atmosfera tensa. Em The Color Wheel outros dois irmãos, JR e Colin, viajam sozinhos para recuperar os pertences de JR que ficaram em casa do seu ex-namorado, um professor. Eles não se dão exactamente bem, mas entendem-se melhor do que as outras pessoas os entendem a eles, sem paciência para os seus feitios. He Was a Giant with Brown Eyes de Eileen Hofer (Soap Opera in Wonderland, exibido no IndieLisboa’11) conta a história de Sabina, uma jovem que teve que se mudar com a mãe para a Suíça, para longe da irmã mais velha, Narmina, e do pai, que estão em Baku, no Azerbaijão. Cinco anos depois, ela regressa ao Azerbaijão, já com 17 anos, para passar as férias de Verão com o pai e a irmã, mas a vida familiar e em sociedade vão ser um verdadeiro desafio num momento crítico para a  construção da sua identidade.

L’estate di Giacomo de Alessandro Comodin é sobre o amor inesperado. Giacomo, um adolescente surdo de 19 anos, vai fazer um piquenique com a sua melhor amiga Stefania e numa caminhada pelas margens de um rio que parece saído de um conto de fadas tudo acontece pela primeira vez. A atracção e a descoberta da sexualidade está também em L’âge atomique de Héléna Klotz: É sábado à noite e dois rapazes, Victor e Rainer, apanham o comboio para passarem a noite em Paris. Já na discoteca, a dança e o jogo da sedução começam.

"L’estate di Giacomo" de Alessandro Comodin

Berlin Telegram de Leila Albayaty fala sobre a dor de uma relação que acaba e de todos os momentos que o coração destroçado de Leila revisita em loop, como se isso pudesse recarregar a relação que chegou ao fim. O que fazer? Insistir? Seguir em frente? Crescer? E o que é isso? Wuthering Heights de Andrea Arnold, baseado no único romance de Emily Brontë, conta a história sombria de um amor apaixonado e conturbado, a rivalidade entre irmãos, a vingança e problematiza o racismo. Rodada na zona rural da Yorkshire selvagem, a adaptação de Andrea Arnold (Fish Tank) deste clássico é original, refrescante e volta a contar uma história sempre contemporânea. Em Bonsái de Cristián Jiménez também é a literatura, em particular Proust, que une Emilia e Julio, mas a fronteira entre ficção e pura mentira é ténue e os personagens deixam de conseguir distinguir a verdade.

Em The Loneliest Planet de Julia Loktev, Alex (Gael Garcia Bernal) e Nica (Hani Furstenberg) são dois jovens apaixonados, já com casamento marcado. No Verão antes de se concretizar o laço, decidem explorar, de mochilas às costas, as montanhas do Cáucaso, na Geórgia, acompanhados por um guia local. Um pequeno gesto, momentâneo, coloca o futuro do relacionamento em risco.

Em 17 filles de Delphine Coulin e Muriel Coulin, dezassete adolescentes tomam juntas uma decisão inesperada que irá mudar as suas pequenas e pacíficas vidas, para grande consternação das famílias e professores: decidem engravidar ao mesmo tempo. Em Nana, Valérie Massadian filma de forma livre e sincera uma menina de 4 anos que mora com a mãe e o avô numa casa de pedra no interior de França, longe de todas as outras crianças. Um dia, quando regressa da escola, encontra a casa em silêncio. Sem receber qualquer tipo de explicação para o desaparecimento da mãe, ela decide seguir o seu próprio caminho. A vida, a morte, a conquista da independência e a beleza rude e quase violenta da paisagem permeiam o filme.

About these ads
Com as etiquetas ,

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 51 outros seguidores

%d bloggers like this: